terça-feira, 27 de setembro de 2011

Terra a Terra Reserva 2008 | Jardineira de Vitela

Este Terra a Terra é um vinho do Celso Pereira situado abaixo do Quanta Terra e comercializado a um preço a rondar os 10 Euros. Feito com duo de Tourigas, a Nacional e a Franca a que se junta a Tinta Roriz a compor o trio, estagia depois 15 meses em madeira. Depois de o provar, fiquei com a ideia de que precisa (pelo menos, nesta altura) de um bom tempo no decanter, já que aparece algo fechado no início (meti-o no decanter 45 minutos antes de o provar) a denotar que já devia ter sido bebido, para o apanhar na força da juventude, ou que ainda precisa de tempo para se mostrar. Ambas as hipoteses parecem correctas, que no vinho não existem verdades absolutas. Efectivamente o vinho deve ter dado uma muito boa prova há um ano atrás e dará seguramente uma muito boa prova daqui a um ano ou dois. Não é um Quanta Terra, mas ainda assim mais que merece ser provado, já que nesta gama de preços a maior parte dos vinhos são muito bem feitinhos, mas algo descartáveis. Este tem carácter, o carácter que Celso Pereira transmite aos seus vinhos e acima de tudo, tem longevidade. Terá sido posto demasiado cedo no mercado (ainda por cima na "grande" distribuição)? Foi a pergunta que me ocorreu. Por mim, vou comprar mais, mas para guardar um ou dois anos. Este vinho tem tudo no ponto, excepto a vontade de dialogar (neste momento). Mas há raça e pujança. Madeira no ponto, 14,5º de álcool que não incomodam e um bom corpo. Bebe-se muito melhor do que se cheira e dá prazer, muito prazer.        


Acompanhei-o com uma jardineira de vitela nacional. Vitela em cubos selada em azeite, com cebola picada, alho esmagado, pimento de estação em tiras finas, tudo a refogar temperado com sal e um ar de pimenta preta. Juntei polpa de tomate e deixei a estufar em lume brando. Juntei chouriço, cenoura, batatas e ervilhas, bem como um pouco de vinho branco. Lume no mínimo durante cerca de 45 minutos, desliguei, aromatizei com umas folhas de hortelã e servi.

Sem comentários:

Publicar um comentário