segunda-feira, 7 de Abril de 2014

Quinta de Saes Reserva 2011




Este é um dos meus brancos do Dão. Dois terços de Primus da Pellada a um terço do preço. É sempre um vinho que dá grande prazer na prova enquanto novo e que não vira as costas a uns anos em cave. Gostei muito do 2009 e do 2010  e este 2011 está muito bom, excelente a acompanhar um empadão de bacalhau e a pedir que se compre mais para guardar, já que deve estar muito melhor daqui a uns anos...


Quinta do Escudial Touriga Nacional 2011





Este é um tourigo quase fora de moda, feito sem passagem por madeira e a fugir aos aromas florais. Touriga Nacional sem artifícios, como se gosta dela no Dão. Precisa de decantação, dada a juventude, mas depois aparece sério e pronto a acompanhar muitos e bons pratos. Custa cerca de dez euros no ECI e esteve muito bem a acompanhar um frango feito como o da púcara da Estremadura. E com batatas fritas em azeite a acompanhar :)




Flor de Nelas Reserva 2009





Este é um vinho honesto do Dão, comprado na feira de vinhos do LIDL na modalidade leve dois e pague um, oferecido a menos de dois euros a garrafa. Combinação clássica das castas, estágio em madeira qb, bebe-se bem sem deslumbrar, mas com estrutura para acompanhar uma feijoada. Agora está a três euros e meio e vale bem a pena :)


sexta-feira, 4 de Abril de 2014

Empada de Coelho | Caves de São João Baga e Touriga Nacional 2010





Esta empada de coelho foi feita com sobras de um outro estufado feito como este. Com batatas Arran Banner a cozer em leite e coelho limpo de ossos, fiz um leve refogado com cebola. Juntei a carne do coelho e as batatas, temperei com noz moscada e fui envolvendo tudo com a colher de pau, juntando o leite da cozedura das batatas e molho do estufado do coelho até obter uma mistura húmida qb para não ficar seca no forno. Transferi a mistura para um tabuleiro de barro, cobri com queijo da ilha ralado e levei ao forno pré-aquecido a 180º C até o queijo derreter e alourar ligeiramente. Servi com uma salada de tomate.


Para acompanhar, escolhi o Caves São João, Baga e Touriga Nacional de 2010, um vinho do BairraDão muito bem feito. Levemente especiado, com leves notas de madeira, mais focado nos aromas frutais do que nos florais, tem taninos já quase domados, a indicar que daqui a uns anos estará melhor, mas já dá muito prazer a provar. Tem 14º de álcool bem integrados, mas convém ter uma manga à mão :)

Custa pouco mais de sete euros e teve 16,5 pontos na RV e por isso merece prova atenta :)

domingo, 30 de Março de 2014

Pai Abel Chumbado, Quinta da Gaivosa 1999, PAPE 2005 e as harmonias...




Esta foi uma harmonização simples de comidas e vinhos, com pratos já testados e vinhos conhecidos, mas que mesmo assim me parece merecer divulgação. Jantar a abrir com umas entradas e já na mesa, Bacalhau à Conde da Guarda e o fantástico Pai Abel 2011, uma pérola da Quinta das Bágeiras. Ligação muito boa, naturalmente. 


Ainda com o bacalhau, Quinta da Gaivosa 1999, com raça e nervo para acompanhar este emblemático prato e a fazer uma bela transição a acompanhar um galo feito à moda estremenha, na púcara. O Quinta da Gaivosa é um dos grandes vinhos tintos do Douro, obra do Eng. Domingos Alves de Sousa, com Anselmo Mendes e Tiago Alves de Sousa. Passados quase quinze anos após a colheita, o vinho ainda está ali para quase todas as curvas. 


A seguir, um Pape 2005, de Álvaro de Castro, um ícone do Dão, feito com Baga da Pellada e na altura, com tourigo da Passarela, fresco e pujante, a finalizar o triângulo de vinhos em grande estilo. 

domingo, 23 de Março de 2014

Quinta do Ortigão Espumante Bruto




Já provei este vinho algumas vezes e é daqueles espumantes da Bairrada que me caiu no goto, muito pela boa relação qualidade/preço, já que se encontra no Jumbo a quatro euros. Fresco, com boa bolha, bebe-se muito bem a solo ou a acompanhar comida e esteve muito bem à mesa com um arroz de pescada e camarão feito como este e que estava absolutamente delicioso.


Quinta de La Rosa Tinto 2009




A Quinta de La Rosa situa-se no Pinhão e tem Jorge Moreira (Poeira, RCV) à frente da enologia. Este tinto de 2009 tem um preço de referência a rondar os dez euros, é feito com Tinta Roriz, Touriga Nacional e Touriga Franca e passa por madeira. Tem 14,5º de álcool, bem integrados e é um vinho que está redondo e bom para beber a acompanhar pratos com alguma complexidade como esta vitela mirandesa estufada em vinho tinto. É muito bem feito e capaz de agradar a qualquer pessoa que goste de vinho tinto, embora eu preferisse que fosse um pouco menos guloso :)


segunda-feira, 17 de Março de 2014

Loios Branco 2013




Acabado de chegar ao mercado, este Loios branco 2013 continua a ser uma referência nos brancos abaixo dos três euros. Vem de Estremoz, mas é fresco e vibrante, pronto para ser bebido a solo ou a acompanhar umas entradas marisqueiras ou mesmo pratos de peixe com alguma gordura, como este arremedo de bacalhau à braz, feito a correr e com as batatas fritas de pacote. Simples e directo, é como tinha referido aqui, um vinho para ter no frigorífico. Bela relação qualidade/preço, mas isso não é novidade nos vinhos do Eng. João Portugal Ramos.


(vinho enviado pelo produtor)

domingo, 2 de Março de 2014

Quinta do Infantado Porto LBV 2007




Porto LBV não filtrado, feito em Gontelho, Covas do Douro, ali a uns quatro quilómetros do Pinhão, pelo João Roseira e pela Fátima Ribas, com Luís Soares Duarte como enólogo consultor. Abre com notas químicas e muita e boa fruta, madeira no ponto e alguma secura que fazem que apeteça sempre beber mais um bocadinho. Custa cerca de quinze euros e é um crime não provar e guardar umas garrafas para beber daqui a uns anos. Neste momento, está excelente para acompanhar bolos com frutos secos e cristalizados e qualquer queijo que se lhe meta à frente, ou ainda um naco de vitela mirandesa grelhada e temperada com pimentas.

Dona Maria Reserva 2005




Uma das referências incontornáveis do Alentejo, este Dona Maria Reserva 2005, feito com Alicante Bouschet, Petit Verdot e Syrah. Boas notas de fruta, madeira de luxo, levemente especiado, com frescura e acidez correctas, continua em grande forma, quase nove anos após a colheita. Grande vinho, que brilhou a acompanhar uma feijoada de pernil de porco fumado, com moira de Lamego, chouriço da Guarda e chouriço de porco preto Alentejano. Custa cerca de vinte e cinco euros, mas vale-os bem. Belo vinho.